YesPets. O Portal do mundo animal.
Se desejar buscar por região,
clique no mapa ao lado.

Encontre aqui o serviço que você procura.

Clique no mapa para selecionar a região desejada.

Mais votados

Pets

Últimos animais de estimação cadastrados

Cadastre seu amigão
  • Revista
  • Artigos
  • Dicas
  • Notícias
+ Recentes
+ Lidas
Cães e seus sentidos
Artigos
12/07/2013 10h09
por Dr. Paulo F. de O. Deslandes
 
Nós, seres humanos, somos animais desprovidos de sentidos tão aguçados se comparando com outros animais. E isso nos limita a compreender, e até mesmo estudar, sentidos mais desenvolvidos e tão incompreendidos até os dias de hoje. Os sentidos caninos são os mesmos que os nossos, ou seja, eles são dotados de visão, paladar, olfato, audição e o tato. No entanto, a percepção dos cães nas diferentes funções de seus sentidos, não se assemelha aos dos seres humanos. O desenvolvimento dos sentidos destes animais está diretamente relacionado às suas heranças ancestrais. Vamos conhecer detalhadamente cada um deles?
 

Visão: essencialmente predatória

Por mais incrível que possa parecer, a visão no cão não é necessariamente tão importante quanto ela é para nós, pois nos cães elas suprem necessidades relativas à predação. No entanto, a visão noturna dos cães é muito melhor que a nossa. Isto acontece, pois suas células da retina têm a capacidade de concentrar mais informações luminosas que as nossas. A ótima visão crepuscular dos cães, representa uma adaptação do animal à caçada noturna, um dos hábitos herdados por seus ancestrais.

Os cães também possuem menor capacidade de focalizar do que homem, o que indica uma tendência a terem hipermetropia, mas não interferem em nada na sua função principal que é de perceber presas em movimento. Além disso, cães têm a habilidade de perceber muito bem os movimentos à distância, embora distingam mal objetos fixos distantes, fenômeno que também se caracteriza a uma adaptação à caça a olho nu.

Ao contrário do que muitos tutores pensam, a maioria dos cães não conseguem assistir televisão. Mesmo que o som e algum reconhecimento de formas por sua visão deficiente, se comparada ao ponto de vista humano, possam atraí-los de alguma forma. Estudos indicam que as oscilações de luz geradas pela televisão são demasiadamente lentas para se manter uma imagem completa para um cão. Já quando o assunto é a capacidade do cão em enxergar cores, existem trabalhos que apontam esta possibilidade, mas sua função no dia-a dia-ainda é assunto de debate. Confira artigo de outro especialista sobre o tema a seguir.

Como sabemos, existem diferenças de visão entre as raças. O motivo? O ângulo de visão de um cão é adaptado em função ao trabalho que foi, supostamente, proporcionado ao animal. Por exemplo, cães de rebanho, como, por exemplo, o border collie, o old english sheepdog, o pastor de sheatland e, claro, o pastor alemão, precisam de um campo de visão largo. Já os cães de caça, como os sabujos, terriers e os hounds, por exemplo, são dotados de um campo de visão binocular restrito e direcionado. Sendo assim, seus olhos se posicionam na parte anterior da cabeça.

Paladar: sentido olfativo

Já no sentido da gustação nos cães, há evidências que seja semelhante ao nosso. No entanto, há indícios que a palatabilidade seja bem diferente. Na verdade, os cães antes de provar eles cheiram primeiro, e muito, e isso sim é importante para avaliar o alimento numa visão canina. Ou seja, o paladar dos cães está diretamente ligado à olfação.

O “gosto” dos cães se dá pelas papilas gustativas presentes nas mucosas da língua, do palato e da faringe. Se comparados aos nossos “captadores de sabor”, a capacidade do cão em sentir o gosto de um alimento é doze vezes menor que a nossa. Como as senção gustativas dos cães são bem enfraquecidas, ele pode consumir o mesmo alimento todos os dias, isto é, se tiver vontade. Cabe ao tutor habituar seu animal com o mesmo tipo de alimentação, bem como impedir que ingira alimentos estragados ou substâncias que podem prejudicar sua saúde.

Olfato: o sentido número 1

Agora o olfato… este sim é primordial para os cães. E a compreensão desse sentido para nós tem sido bastante difícil, já que nossas capacidades olfativas são deploráveis em relação às deles. Esse sentido é tão desenvolvido que nos tem auxiliado a bastante tempo. Cães são treinados para rastreio, detecção de drogas, localizações de vítimas soterradas, etc. A capacidade destes animais em identificar pessoas, em média, tem uma precisão de aproximadamente 75% de acerto.

Esta “eficácia farejadora” dos cães se explica facilmente se compararmos com a nossa quantidade de células olfativas, cerca de 5 milhões, com a de um cão da raça basset hound, por exemplo, em que encontramos cerca de 125 milhões de células olfativas ou num pastor alemão que possui cerca de 200 milhões, ou seja, 40 vezes mais que no ser humano. Além disso, a superfície do receptor olfativo (ou células olfativas) que nos cães mede, em geral, 150cm², no homem esta superfície cai para 3cm².

Claro que cada raça possui diferenças anatômicas que lhes conferem maior ou menor capacidade olfativa. Outra curiosidade é que cães farejadores, possuem as orelhas ‘ caídas’, como os beagle, por exemplo. Esta característica auxilia o cão no maior desenvolvimento do olfato, já que as orelhas impedem que o cão se concentre mais no farejar e não seja tão influenciado por outros ruídos.

Assim, este sentido é importante tanto na caça, quanto para a comunicação interespecífica, o reconhecimento de algo e para indicar suas preferências alimentares, pois o cheirinho do alimento não agradar…com certeza ele não comerá!

Audição: alta sensibilidade

Amigos caninos ouvem sons quatro vezes mais distantes do que nós, além de ouvirem ultra-sons de até 60 KHz (quilohertz), inaudíveis para os homens, pois só escutamos até 20 KHz. Ao contrário da visão, a audição do cão é muito desenvolvida, fazendo com que perceba vibrações sonoras de altíssima frequência, que nosso ouvido humano não capta, além de ter a capacidade de diferenciar sons diversos, como por exemplo, identificar o ruído do automóvel do seu tutor entre outros veículos semelhantes.

Caçadores que trazem cães em sua investida, possuem apitos especiais que emitem ultra-sons em que só os cães ouvem. Assim, conseguem trazê-los de volta sem assustar a caça com o som da voz humana. O cão também é capaz de discernir e reconhecer facilmente a voz e as palavras pronunciadas por seu tutor, mesmo que leve em conta gestos e o seu tom de voz. Assim, quando chamar seu cão e ele não vier, significa que, ou está com problema de audição, ou o danado percebeu que seu tom de voz não está dos melhores e prefere nem aparecer!

Tato e sensibilidade: importância dos “bigodes”

O tato é primeiro sentido usado pelo cão ao nascer, junto com o olfato. Ele o coloca em relação com o mundo logo após o nascimento, já que os filhotes, ainda com os olhinhos fechados, se guiam através de sensações táteis até os mamilos da mãe. Aliás, o desenvolvimento do tato nesta fase da vida do cão é importante para protegê-lo, pois o contato físico de sua mãe proporciona um efeito tranquilizador para o filhote.

O tato também é responsável pela sensibilidade do cão e sua orientação que se dá, principalmente, através de suas vibrícias, vulgarmente conhecidas como bigodes, que funcionam como um “radar”, principalmente quando se encontram em locais confinados e de baixa luminosidade, pois agem como orientadores espaciais para o cão. São seus bigodes que detectam os estímulos externos, informando o cão o que se passa nas imediações onde ele se encontra.

Já as sensações térmicas, tácteis e dolorosas percebidas pela pele, são possíveis graças às terminações nervosas, distribuídas de forma irregular por todo o corpo, e que se formam como uma rede densa ligada à medula espinhal e ao cérebro do animal. Nos cães, as sensações de frio são mais intensas que as de calor e o animal reage de forma diferente para cada sensação. Como a pelagem é uma forma de regular sua temperatura, cuidado para não tosar seu animal durante o inverno, ele precisa desta proteção.

Na base dos pelos, os cães apresentam o mesmo tipo de rede nervosa. No entanto, nem todos os pelos possuem a mesma sensibilidade. Ou seja, as vibrícias, os pelos longos do focinho, dos supercílios e do queixo, por exemplo, são regiões bem sensíveis, pois possuem terminações nervosas.

Sexto sentido: ele existe?

Muitos donos de pet se questionam sobre a presença de uma sensibilidade a mais nos animais, o famoso sexto sentido. Uns acreditam que o animal sente a presença do sobrenatural ou percebe quando estamos passando por uma fase difícil, tudo atrelado ao mito do sexto sentido. E os “causos” deste tipo de experiência são incontáveis! Mesmo que este assunto ainda seja delicado e contraditório entre pesquisadores e amantes dos animais, alguns destes mistérios não são tão misteriosos assim. Mas isto já é papo para outro artigo! Aguardem as próximas edições.

Dr. Paulo F. de O. Deslandes é médico veterinário especializado em comportamento canino. www.ccanimal.com.br e blog: http://artigoscao.blogspot.com

Fonte: ANDA 

 

Quer sugerir um artigo ou escrever para nós? Envie para redacao@yespets.com.br

Política de Privacidade
©Copyright 2013, Yespets Publicidade na Internet LTDA
Alerta
Ok
Carregando
Erro

Não foi possível ler a página!